dependência

greve dos transportadores de combustíveis até então ignorava a categoria (me admirei) postos sem combustível até então nem pensava em ficar sem (me admirei) achei um posto ainda vivo (aliviei) com fila de quase uma hora (admirei) 40 minutos de espera (resignei) ao pagar, esqueci a carteira (espantei) descubro que tinha um cheque (aliviei) o posto não aceitava cheque (…) o gerente aceitou o meu cheque (aliviei) pude então buscar meu filho na escola que é quase no meio do mato onde eu não chegaria sem carro, sem gasolina ou cartão. percebi a dependência (assustei) mas lá, voando no mato, vi uma borboleta azul. movida a vento e farfalhar sem tanque ou máquina de crédito de verdade, então, respirei. de carro, sem cartão, de tanque cheio,...

oi?

como assim? Há um minuto era 09:00, e agora é 09:46? quanto tempo tem um minuto mesmo?

enigma de ângulo reto

se um quadrado tem quatro cantos e não tem ninguém dentro do quadrado, quem é que canta?

borboleta batendo cabeça

borboleta batia cabeça no vidro da janela tive pena dela “pena tem quem se sente superior”, pensei. problema dela. se de lagarta já voou, se vira! borboleta batia cabeça insistentemente no vidro da janela. será que a consciência de algumas espécies podem estar a serviço de outras? pensei, pensando também se ajudava ou não. será que há uma função cósmica no ato de bater a cabeça no vidro? será que devo eu intervir, tendo consciência que a pobre lagarta de asas pode passar o resto do dia tentando sair? borboleta batia cabeça. foi dando aflição de tanta inconsciência. borboleta batia cabeça. foda-se. empurrei a borboleta pra fora do vidro, no vão da janela. borboleta bateu asas. e eu continuei no chão, pensando como ela, que rastejava, hoje consegue...