sobre o amigo Antônio Mercado

Hoje me lembrei de um grande amigo e mestre: Antônio Mercado. Ele cruzou minha vida (ou eu a dele) num momento bem decisivo, há 10 anos atrás. Na época, eu era estudante de cinema na USP, e havia recém-descoberto que o mundo não se restringia à sala de produção da ECA. Militava ardorosamente no Movimento Humanista (onde estou até hoje) e passei a questionar, entre tudo o que fazia, o papel da arte e do artista. Até que resolvi “filar” sua aula, direção de atores. Esse era somente o título da matéria, porque o conteúdo era algo muito maior. A cada manhã, eu saía plena, sempre com a sensação de ter roçado em algo que sempre procurei, porque não só a carga de informações que ele generosamente nos transmitia era muito consistente, mas também sua humanidade. Era a...

puta que eu me pari

preciso revisitar esse momento da minha vida…

alegrias

adoro encontros inesperados em lugares inesperados em dias inesperados, momentos inesperados. tem gosto de festa preparada pelo destino. pra isso, basta sair de casa.

quando grávida (dez luas)

O que isso tem a ver com todo o resto da matéria viva? Tudo. Mas nem sempre foi assim. Houve uma época em que o medo era maior. Não me pergunte do que, porque quando se tem medo nem se sabe, é só um ar dilatado impedindo o ar de verdade. Teme-se tudo, porque no fundo a gente se sabe mudança constante. E o medo cria uma ilusão de pintura na parede. Sem perspectiva, cor ou forma. O medo cria as ameaças, o poder estabelecido, a fuga de si, a necessidade de quem manda (pra onde?). O medo é o capacho do desejo de permanecer. O medo tem nomes toscos e imperativos que mudam ao longo da história (Nero? Bush? Quantos…), mas também tem marcas individuais criando esses pequenos nomes dentro de cada vivo. Nos vivos que se sabem vivos, os humanos, ele cria história...

a minha casa tem goteira

antes, pingava ni mimem cima do meu travesseiroremendamos o telhado umas 1500 vezes. O cara que arruma disse que não tem mais jeito.agora, quando chove, só chove (e chove meeeesmo) no banheiro.devo agradecer porque é no banheiro, piso frio?espero, conformada, pela estiagem? Mesmo que o ar de SP fique horrível?

vitórias ecohumanistas do dia

1.manifestação no IBAMA hoje não teve violência policial2.conseguiram que haja uma audiência pública com os municípios atingidos por barragens antes de inundarem tudo com a porcaria da usinaAgora só falta o Sr.Antônio Ermínio deixar de lado o capricho, deixar a miopia, deixar essa gente em paz, meu Deus, que todo mundo tem mais o que fazer da vida! E ele não tem? Quem precisa de alumínio, lata de Cola Cola?para saber mais: http://www.terrasimbarragemnao.blogspot.com/ e tenho...

palavras-bebê

Hoje o Pedro falou água. E mostrou a língua.Eu sou a tetê. às vezes, a mamamamamama. Pra mim é aleatório, pra ele deve ter sentido uma ou outra. o Dja é o papapapapapapajá tem também uo(v)uô e uo(v)uóe andar: adiáa campeã: taita. Essa eu nunca entendi, que burra!