descobrimentos

tenho descoberto coisas impensáveis sobre o que sou, e o que pensava ser. percebi que o que eu achava ser paciência era uma profunda indisposição pra brigas. Preguiça mesmo. agora, sei lá por que, se pelos acontecimentos, se pela gravidez, se pela lucidez, se pelo espírito santo, se por estar fazendo coisas enormes que exigem disposição pra luta, percebi uma enoooooorme impaciência. intolerância quase. muita raiva tb. nossa. nenhum problema nisso. aliás, sinto-me livre de uma capa inútil. uma auto-imagem inútil e falsa. A falsa boa. sei lá quem sou de verdade. mas nada a ver com o que eu era. ou pensava ser.

suspiro

Se há um momento de instabilidade, é esse. Acho que nunca passei por tanta coisa junta. Obra, Marcha Mundial, trabalhos de autoconhecimento, maternidade, gravidez, trabalho, e todas as tensões provenientes de tudo isso. Várias situações me colocando na berlinda, no limite, a maternidade me dando eixo para não sucumbir à auto-piedade. Sim, sempre se pode agüentar mais um pouco. Tenho tomado contato com sentimentos raros. Muita raiva, por exemplo. Ou talvez ela nunca tenha mostrado seu rosto de forma tão clara. Muita luz também. Muitos presentes da vida, mas nada, nada, sendo fácil. Tudo mais difícil que esperávamos na visão romântica, presentes que jamais esperávamos aparecendo do nada. Um presente, um desafio, um presente, um desafio, uma crise de choro, um dia...