na gira dos cavalinhos

   historinhas líricas 1 Comments
Para cada filho, um coração. Mas cada peito que o contém pede um corpo, então sou pelo menos três com cara de mãe. Também sou grata por ter esse privilégio, o de poder ser presente nessa primeira infância (uma opção consciente), mas louca por conseguir coordenar os tantos outros eus que pedem passagem.
 
A casa, exigente, me grita pelo menos mais nove personas exclusivas, o que desobedeço com prazer. Mas com gosto eu cedo ao posto de jardineira, porque amo cultivar fadas, e elas me pedem locais mágicos e floridos. Nas artes culinárias faço o que tem pra hoje (apesar da herança genética favorável, esqueci de passar nessa fila de talentos) e a alegria de encher a casa de pisca-piscas depende de uma arrumação prévia, coisa que nem sempre tô a fim (e quando faço, recebo do Djair a gentil alcunha de Arnolda Schwarzenêga, tamanho o ímpeto dedicado à tarefa). O resto delego sem culpa.
 
A filha (que ainda e também sou) guardo para momentos de mimo.
 
A amiga transita a toda hora, facinha de lidar essaí.
 
A enamorada tem seu espaço guardado a dentadas. Seus domínios são protegidos por espinhos, e por eles garanto o aroma de rosas embebidas em orvalho, doce alimento dos dias. Sou tão feita de sua matéria que (ainda bem) seria quase impossível que ela se transfigurasse numa lista de supermercado. Mas é preciso estar à espreita: esse é um risco constante.
 
Há várias outras transitórias, eventuais, efêmeras.
 
Da classe daquelas secretas, há uma em especial: a que anda me cavando espaço a unhadas, arrancando a pele da sola e dos calcanhares até que eu lhê dê ouvidos e pernas. Ela não segue padrões, a santa louca desvairada. É aquela desacostumada ao giro da rotina. Aquela que quer sair a galope em linha reta.
 
………………………………………………………………………………………………………
 
………………………………………………………………………………………………………
 
……………………………………………………………………………………………………….
 
Como lidar?
 
Como lidar?
 
Como lidar?
 
 
Um dia, por pura graça, me veio resposta divina: Cavalgue pra cima – escutei – direto pro céu sem limites!
 
E lá foi ela, artista-amazona, sem olhar pra trás, nas asas do vento, montada na necessidade.
 
Pra Lá foi ela, feliz, sem saber que é seu giro espiralado ao redor do grande mastro o que faz mover o carrossel dos dias terrenos.

 

 

carrossel

 

 

1 comentário

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: