duelo

Anteontem fui ver o ensaio do Três Vezes Vênus. É sempre uma coisa de louco você ver um texto ganhando vida, ver as tantas leituras possíveis do que quando a gente escreve parece ser uma coisa só… Adoro, amo. Preciso. E não resisto. Vai aí um pedaço. JOANA Era uma mulher-sereia, que tinha nascido sem mãe…Quer dizer, nasceu do canto do vento, naqueles dias que o vento uiva quem nem lobo pra lua… Era tão linda a mulher-sereia…Mas um dia, se encantou pelo mundo dos homens e pediu ao seu pai um par de pernas para pisar em terra firme. Ele concedeu seu pedido, com a condição de que seu pé pisasse como se a terra tivesse ouvidos, com a mesma delicadeza com que deslizava nas ondas. E a moça foi… Mas ela não sabia do que eram feitas as...

palavrões da minha infância

didi mocó sonrisal colesterol novalgina mufumo (que o Renato Aragão se incumbiu de matar) supercalifragilistiexpialegocious leitemaltadocaramelizadocomflocoscrocanteseumdeliciosochocolatenestlé (cholocate com espinhas) inconstitucionalissimamente otorrinolaringologista (meu pai) paralelepípedo (minha rua)

reflexões de uma mulher de 35

domingo chuvoso. nada na TV. um comercial fala de um creme que previne “marcas de expressão”. quero ter marcas de expressão. minha preocupação, na verdade, é:  qual expressão será marcada?

crepúsculo do claustro

Uma cria, a outra, crica, critica a cria chegada não crê não cresce, crispa. crua, teme o fogo e a chispa sua cruz. vem a crise: a outra, crente, ressurge da criatura abre espaço na crosta terrestre ignora a cremação passada. reprograma cristais reprograma cromossomos de cro-magnons aos caraíbas escravos unge a ferida dos cravos parece crime parece caos vive, criança, a nova cria: certeza.

equinócio!

Quem não tem inverno, não sabe que dia é hoje. Aqui não tem neve pra degelar. Só entendi o que significava o final do inverno vendo um filme iraniano que não me lembro o nome (infelizmente), em que um povoado vive as 4 estações. No início da primavera, entendi profundamente, pelos olhos alheios, a celebração do fim de um tempo de recolhimento e privações. O início do amor que florece, fresco, intenso, cor de sangue e vida. Desde então, celebro, sempre. Com  flor da casa de...

Plugins da infância no novo milênio

O Pedro agora deu pra uma coisa: antes de chorar, ele fala: “Chorar”. Ou, às vezes, ao invés de. Aí abraça a gente, já pedindo consolo para o que ele sente, seja lá o que for. Será um plugin de autoconsciência? Céus!

lição do dia

espremendo a cabeça sai sangue, não poesia.